Home | Eis o Homem | Daniel | Apocalipse | Bíblia
 
 
 
Daniel

Daniel 9.20-27

A PROFECIA DAS SETENTA SEMANAS

  • 20 Enquanto estava eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do Senhor, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus,
  • 21 sim enquanto estava eu ainda falando na oração, o varão Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio voando rapidamente, e tocou-me à hora da oblação da tarde.
  • 22 Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, vim agora para fazer-te sábio e entendido.
    • 23 No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, pois és muito amado; considera, pois, a palavra e entende a visão.
    Neste ponto o anjo Gabriel dá continuidade ao capítulo 8:26 e 27 de Daniel:
    • 26 E a visão da tarde e da manhã, que foi dita, é verdadeira. Tu, porém, cerra a visão, porque se refere a dias mui distantes.
    • 27 E eu, Daniel, desmaiei, e estive enfermo alguns dias; então me levantei e tratei dos negócios do rei. E espantei-me acerca da visão, pois não havia quem a entendesse.
    • 24 Setenta semanas estão decretadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade,
    Uma semana, 7 dias vezes 70 é igual a 490 dias. Se fossem dias literais nos levaria a um período em que nada iria se cumprir, portanto trata-se de 490 anos Dia= Ano.
    para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, O fim deste período marcaria o final dos sacrifícios dos cordeiros, como símbolo do Messias que viria para morrer de uma vez por todas pelos nossos pecados.
    e selar a visão e a profecia, e para ungir o santíssimo. Cumprir-se a profecia da vinda do Messias.
    • 25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém
    Na época em que a visão foi dada, Jerusalém e o templo achavam-se em ruínas e o povo judeu cativo em Babilônia. Três decretos tratando da repatriação dos judeus são registrados no livro de Esdras: em 537 aC por Ciro, em 520 aC por Dario I e em 457 aC por Artaxerxes, sendo que, neste último, se deu o cumprimento, conforme Esdras 7.
    até o ungido, o príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; com praças e tranqueiras se reedificará, mas em tempos angustiosos. Até que o Messias seja ungido, batizado, haveria (7 +62) semanas proféticas, ou seja, 483 anos, a partir do outono de 457 AC até o outono do ano 27 AD. Em tempos angustiosos, sob o jugo do Império Romano.
    • 26 E depois de sessenta e duas semanas será cortado o ungido, e nada lhe subsistirá;
    E o Messias será tirado de dentre o seu povo, será morto.
    e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas assolações. Esta destruição de Jerusalém e do templo se cumpriu em 70 AD, quando os soldados romanos invadiram a cidade e a destruíram.
    • 27 E ele fará um pacto firme com muitos por uma semana;
    Esta última semana completa as 490 (483 + 7)
    e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; Esta semana de anos começa no outono do ano 27 AD e a sua metade termina na primavera do ano 31 AD, quando Cristo foi morto, não havendo mais a necessidade de se oferecer um cordeiro como sacrifício expiatório, pois, o Verdadeiro Cordeiro já fora morto.
    e sobre a asa das abominações virá o assolador; e até a destruição determinada, a qual será derramada sobre o assolador. Novamente se faz referência às atrocidades que destruíram Jerusalém e o templo em 70 AD, mas que também se voltaria contra o assolador.
O sonho de Nabucodonosor