Home | Eis o Homem | Daniel | Apocalipse | Bíblia
 
 
 
Daniel

Daniel 7

O SONHO SOBRE OS QUATRO ANIMAIS

  • 1 No primeiro ano de Belsazar, rei de Babilônia (553/552AC), teve Daniel, na sua cama, um sonho e visões da sua cabeça. Então escreveu o sonho, e relatou a suma das coisas.
  • 2 Falou Daniel, e disse: Eu estava olhando, numa visão noturna, e eis que os quatro ventos do céu agitavam o Mar Grande. Os ventos, as forças políticas, diplomáticas, bélicas, dos quatro cantos da Terra, instrumentos que fazem nascer os Impérios, atuavam sobre o berço das nações, o Oriente Médio e a Europa.
    • 3 E quatro grandes animais, diferentes uns dos outros, subiam do mar. Quatro grandes Impérios surgiram do Oriente Médio e da Europa.
    • 4 O primeiro era como leão, e tinha asas de águia; enquanto eu olhava, foram-lhe arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em dois pés como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem.
    Um símbolo apropriado para representar o Império Babilônico, o leão como rei dos animais e a águia como o rei dos pássaros. Assim também o ouro é o rei dos metais, como no capítulo 2 de Daniel, a cabeça de ouro. O leão alado é encontrado nos objetos de arte de Babilônia. Um homem com coração de leão é um homem com coragem e audácia, como Ricardo, o Coração de Leão, mas um leão com coração de homem representa um reino enfraquecido pela riqueza e pelo luxo que fizeram-no cair perante os medo-persas.
    • 5 Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os seus dentes; e foi-lhe dito assim: Levanta-te, devora muita carne.
    O Império Medo-Pérsa, como um urso, de certa forma inferior ao leão, como a prata é inferior ao ouro de Daniel 2, conquistou três grandes nações, Lídia, Babilônia e Egito.
    • 6 Depois disto, continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha nas costas quatro asas de ave; tinha também este animal quatro cabeças; e foi-lhe dado domínio.
    O leopardo é um animal feroz e carnívoro, notável pela rapidez e agilidade de seus movimentos, não o suficiente para representar o Império Grego-Macedônico de Alexandre o Grande, ainda recebeu quatro asas, símbolo da velocidade com que Alexandre fez suas conquistas. Contudo, este grande império foi dividido em quatro partes que corresponde aos quatro generais de Alexandre, Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu.
    • 7 Depois disto, eu continuava olhando, em visões noturnas, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha Dez Chifres.
    • 23 Assim me disse ele: O quarto animal será um quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços.
    Império Romano Gibbon apropriadamente chamou de a "Monarquia de Ferro" de Roma embora esta não fosse uma monarquia no tempo em que se tornou o principal poder mundial. Cerca de 500 AC e estado romano se tornou uma república e permaneceu uma república por quase 500 anos. Reinos Bárbaros no século VI
    As invasões sucessivas do Império Romano por numerosas tribos germânicas e a substituição do império por vários estados ou monarquias, dividiram-no em dez partes principais dominadas pelos ostrogodos, visigodos, francos, vândalos, suevos, alamanos, anglo-saxões, hérulos, lombardos e burgúndios. Alguns preferem arrolar os hunos em lugar dos alamanos, contudo, os hunos desapareceram cedo, sem deixarem um reino estabelecido. O período foi de grandes revoltas, confusão e mudança, durante o qual um grande número de estados conseguiram a sua independência. Em 476, a deposição do último imperador romano, Rômulo Augusto, por Odoacro, chefe dos hérulos, foi o fim do Império Romano do Ocidente.
    • 8 Eu considerava os chifres, e eis que entre eles subiu outro chifre, pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas. 19 Então tive desejo de conhecer a verdade a respeito do quarto animal, que era diferente de todos os outros, sobremodo terrível, com dentes de ferro e unhas de bronze; o qual devorava, fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobrava;
    • 20e também a respeito dos dez chifres que ele tinha na cabeça, e do outro que subiu e diante do qual caíram três, isto é, daquele chifre que tinha olhos, e uma boca que falava grandes coisas, e parecia ser mais robusto do que os seus companheiros.
    • 21 Enquanto eu olhava, eis que o mesmo chifre fazia guerra contra os santos, e prevalecia contra eles,
    • 22 até que veio o ancião de dias, e foi executado o juízo a favor dos santos do Altíssimo; e chegou o tempo em que os santos possuíram o reino.
    • 24 Quanto aos Dez Chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.
    • 25 Proferirá palavras contra o Altíssimo, e consumirá os santos do Altíssimo; cuidará em mudar os tempos e a lei; os santos lhe serão entregues na mão por um tempo, e tempos, e metade de um tempo.
    • 26 Mas o tribunal se assentará em juízo, e lhe tirará o domínio, para o destruir e para o desfazer até o fim.
    Roma Papal Não havia, presumivelmente, nenhum animal na natureza que podesse servir de comparação com esta horrível criatura, mas não há duvidas de ele representa o mesmo poder das pernas de ferro de Daniel 2.40. "Das ruínas de Roma política levantou-se o grande império moral na 'figura gigante' da Igreja Romana". (A. C. Flick, The Rise of the Medieval Church [1900], pág. 150). "Sob o Império Romano os papas não tinham poderes temporais, mas quando este se desintegrou, a igreja católica romana não apenas se tornou independente dos estados em assuntos religiosos, mas também dominou os negócios seculares." (Carl Conrad Eckhardt, The Papacy and World-Affairs [1937], pág. 1)

    O Juízo

    9 Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; o seu vestido era branco como a neve, e o cabelo da sua cabeça como lã puríssima; o seu trono era de chamas de fogo, e as rodas dele eram fogo ardente.
  • 10Um rio de fogo manava e saía de diante dele; milhares de milhares o serviam, e miríades de miríades assistiam diante dele. Assentou-se para o juízo, e os livros foram abertos.
  • 11 Então estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que o chifre proferia; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo destruído; pois ele foi entregue para ser queimado pelo fogo.
  • 12 Quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia foi-lhes concedida prolongação de vida por um prazo e mais um tempo.
  • 13 Eu estava olhando nas minhas visões noturnas, e eis que vinha com as nuvens do céu um como filho de homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e foi apresentado diante dele.
  • 14 E foi-lhe dado domínio, e glória, e um reino, para que todos os povos, nações e línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino tal, que não será destruído.
  • 15 Quanto a mim, Daniel, o meu espírito foi abatido dentro do corpo, e as visões da minha cabeça me perturbavam.
  • 16 Cheguei-me a um dos que estavam perto, e perguntei-lhe a verdadeira significação de tudo isso. Ele me respondeu e me fez saber a interpretação das coisas. Um Reino Eterno
  • 18 Mas os santos do Altíssimo receberão o reino e o possuirão para todo o sempre, sim, para todo o sempre.
  • 27 O reino, e o domínio, e a grandeza dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo. O seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão.
  • 28 Aqui é o fim do assunto. Quanto a mim, Daniel, os meus pensamentos muito me perturbaram e o meu semblante se mudou; mas guardei estas coisas no coração.
O sonho de Nabucodonosor