Home | Eis o Homem | Daniel | Apocalipse | Bíblia
 
 
 
Daniel

Daniel 11.1-45

  • OS REIS DO NORTE E DO SUL
    Profecia Cumprimento da Profecia
    • 1 Eu, pois, no primeiro ano de Dario, medo, levantei-me para o animar e fortalecer.
    O anjo Gabriel vem confortar Daniel e interpretar as visões anteriores.
    • 2 E agora te declararei a verdade: Eis que ainda se levantarão três reis na Pérsia,
    1- Cambises (530-522AC) 2- O Falso Smerdis (Gaumata, Bardia), um usurpador (522AC) 3- Dario I (522-486AC)
    e o quarto será muito mais rico do que todos eles; e tendo-se tornado forte por meio das suas riquezas, 4- Xerxes (Assuero do livro de Ester)
    agitará todos contra o reino da Grécia. Em 490AC, Dario, o Grande, predecessor de Xerxes, tentendo subjugar os Gregos, foi detido em Maratona. Heródoto enumera mais de 40 nações que forneceram tropas para o exército de Xerxes.
    • 3 Depois se levantará um rei poderoso, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver.
    Alexandre, o Grande, o primeiro rei do Império Grego-Macedônico.
    • 4 Mas, estando ele em pé, o seu reino será quebrado, e será repartido para os quatro ventos do céu; porém não para os seus descendentes, nem tampouco segundo o poder com que reinou; porque o seu reino será arrancado, e passará a outros que não eles.
    Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu
    • 5 O rei do sul será forte,
    Ptolomeu I Sóter (306-283AC), rei do Egito, ao SUL da Palestina.
    como também um dos seus príncipes; e este será mais forte do que ele, e reinará, e grande será o seu domínio, Seleuco I Nicator (305-280AC)
    • 6 mas, ao cabo de anos, eles se aliarão; e a filha do rei do sul virá ao rei do norte para fazer um tratado.
    Para solidificar a paz, após 35 anos de guerra, Antíoco II Teos (261-246 AC), rei da Síria, ao NORTE da Palestina, neto de Seleuco I, casou-se com Berenice, uma filha de Ptolomeu II Filadelfo, rei do Egito. Antíoco também depôs sua primeira esposa e irmã Laodice e excluiu os filhos dela do direito de sucessão ao trono.
    Ela, porém, não conservará a força de seu braço; Após o nascimento do primeiro filho de Berenice, Antíoco se reconciliou com Laodice.
    nem subsistirá ele, Antíoco foi envenenado por Laodice.
    nem o seu braço; mas será ela entregue, e bem assim os que a tiverem trazido, Berenice, seu filho e suas damas de companhia foram assassinados a mando de Laodice.
    e seu pai, e o que a fortalecia naqueles tempos. Ptolomeu II, pai de Berenice morreu, pouco antes desses fatos, no Egito.
    • 7 Mas dum renovo das raízes dela um se levantará em seu lugar, e virá ao exército, e entrará na fortaleza do rei do norte, e operará contra eles e prevalecerá.
    Ptolomeu III Euergetes,
    • filho de Ptolomeu II e irmão de Berenice, sucedeu a seu pai em 246 AC e invadiu a Síria como vingança pelo assassinato de sua irmã.
    • 8 Também os seus deuses, juntamente com as suas imagens de fundição, com os seus vasos preciosos de prata e ouro, ele os levará cativos para o Egito; e por alguns anos ele deixará de atacar ao rei do norte.
    Após esta empreitada, Ptolomeu III não mais atacou a Síria, até morrer em 221 AC, dois anos após a morte de Seleuco III Cerauno Sóter (226-223 AC).
    • 9 E entrará no reino do rei do sul, mas voltará para a sua terra.
    (240 AC) Após Ptolomeu III retornar ao Egito, Seleuco III marchou contra o Egito para reaver suas riquezas, mas foi derrotado, retornando para a Síria de mãos vazias.
    • 10 Mas seus filhos intervirão, e reunirão uma multidão de grandes forças; a qual avançará, e inundará, e passará para adiante; e, voltando, levará a guerra até a sua fortaleza.
    Em 219AC, Antíoco III, o Grande, (223-187AC) iniciou uma campanha para o sul contra Ptolomeu IV Filopatro (221-203 AC)
    • 11 Então o rei do sul se exasperará, e sairá, e pelejará contra ele, contra o rei do norte;
    Políbio afirma que o exército de Antíoco contava 62 mil homens de infantaria, 6 mil na cavalaria e 102 elefantes. As tropas de Ptolomeu contavam um número aproximadamente igual.
    este porá em campo grande multidão, e a multidão será entregue na mão daquele. A batalha de Ráfia (217AC), entre Antíoco III e Ptolomeu IV, resultou numa derrota desastrosa para Antíoco, que se diz ter perdido 10 mil homens da infantaria e 300 da cavalaria, mais 4 mil prisioneiros.
    • 12 E a multidão será levada, e o coração dele se exaltará; mas, ainda que derrubará miríades, não prevalecerá.
    Entre 212 e 204 AC Antíoco III recuperou suas forças fez bem sucedida campanha até a fronteira da Índia; cerca de 203 AC, Ptolomeu IV e sua rainha morreram misteriosamente e foram sucedidos por Ptolomeu V Epifânio (203-181 AC), que tinha somente 4 ou 5 anos de idade.
    • 3 Porque o rei do norte tornará, e porá em campo uma multidão maior do que a primeira; e ao cabo de tempos, isto é, de anos, avançará com grande exército e abundantes provisões.
    Após 16 anos da batalha de Ráfia, Antíoco III se empreende na segunda campnha contra o sul (201 AC), aproveitando-se da ascensão da criança Ptolomeu V.
    • 14 E, naqueles tempos, muitos se levantarão contra o rei do sul; e os violentos dentre o teu povo (de Daniel, os judeus) se levantarão para cumprir a visão, mas eles cairão.
    Neste ponto, abre-se um parênteses e Roma entra em cena. Em 161 AC os judeus fizeram aliança com Roma e desfrutaram da sua proteção, até que a Judéia se tornou uma província de Roma em 63 AC.
    • 15 Assim virá o rei do norte, e levantará baluartes, e tomará uma cidade bem fortificada; e as forças do sul não poderão resistir, nem o seu povo escolhido, pois não haverá força para resistir.
    Retorna-se à narração do v.13, da segunda campnha de Antíoco III na Palestina, tomando cidades fortificadas como Gaza e Sidon (201 AC). Em Sidon, Antíoco encurralou um exército egípcio forçando-os à rendição.
    • 16 O que, porém, há de vir contra ele fará o que lhe aprouver, e ninguém poderá resistir diante dele; ele se fincará na terra gloriosa, tendo-a inteiramente sob seu poder.
    Novamente o poder de ferro de Roma aparece aqui subjugando as forças de Antíoco III e da terra gloriosa, a Palestina.
    • 17 E firmará o propósito de vir com toda a força do seu reino, e entrará em acordo com ele, e lhe dará a filha de mulheres, para ele a corromper; ela, porém, não subsistirá, nem será para ele.
    A filha de mulheres, uma jovem, expressão incomum para dar ênfase à feminilidade de Cleópatra, filha de Ptolomeu XI. Ela foi posta sob a tutela romana em 51 AC e 3 anos mais tarde tornou-se amante de Julio César, que invadiu o Egito. Depois que Júlio César foi assassinado,Cleópatra voltou suas afeições para Marco Antonio, em Ácio (31 AC). No ano seguinte o suicídio de Marco Antonio abriu caminho para Otávio, do qual Cleópatra, constatando que não poderia conseguir nenhum favor, suicidou-se.
    • 18 Depois disso virará o seu rosto para as ilhas, e tomará muitas; mas um príncipe fará cessar o seu opróbrio contra ele, e ainda fará recair sobre ele o seu opróbrio.
    • 19 Virará então o seu rosto para as fortalezas da sua própria terra, mas tropeçará, e cairá, e não será achado.
    Guerras em outras partes do império tiraram Júlio César do Egito, foi derrotado na costa da África e bem sucedido na Síria e Ásia Menor. Foi assassinado por um príncipe, Brutus, em 44 AC, em Roma.
    • 20 Então no seu lugar se levantará quem fará passar um exator de tributo pela glória do reino; mas dentro de poucos dias será quebrantado, e isto sem ira e sem batalha.
    César Augusto, que sucedeu a Júlio César, reinou durante 40 anos e morreu pacificamente no seu leito em 14 AD. Neste período o povo judeu foi oprimido, e a figura do cobrador de impostos ganha ênfase na história bem como nos relatos bíblicos, como o era Mateus e também Zaqueu.
    • 21 Depois se levantará em seu lugar um homem vil, ao qual não tinham dado a majestade real; mas ele virá caladamente, e tomará o reino com lisonja.
    Tibério (14-37 AD), filho adotivo de César Augusto, fora apontado como herdeiro do trono somente quando já era homem de meia idade, após a morte de seu padrasto, por manobras de sua mãe Lívia.
    • 22 E as forças inundantes serão varridas de diante dele, e serão quebrantadas,
    Com grande poder militar, Tibério foi eminentemente bem sucedido tanto na Alemanha como no oriente, nas fronteiras da Armênia e Partia.
    como também o príncipe do pacto. Durante o governo de Tibério e sob a ordem do seu procurador na Judéia, Pôncios Pilatos, Jesus Cristo, o Messias, foi crucificado, no ano 31 AD.
    • 23 E, depois de feita com ele a aliança, usará de engano; e subirá, e se tornará forte com pouca gente.
    Com alianças e tratados para defender intereces mútuos, Roma se fazia de amiga e protetora mas operava enganosamente em proveito próprio.
    • 24 Virá também em tempo de segurança sobre os lugares mais férteis da província; e fará o que nunca fizeram seus pais, nem os pais de seus pais; espalhará entre eles a presa, os despojos e os bens; e maquinará os seus projetos contra as fortalezas, mas por certo tempo.
    Por um período de um tempo profético, 360 anos, de 31 AC, o ano da batalha de Ácio, contra Marco Antonio e Cleópatra, até 330 AD, quando a sede do império foi removida de Roma para Constantinopla, nenhuma fortaleza resistiu, e os despojos foram distribuídos entre a nobreza e os comandantes do exército e mesmo os soldados comuns receberam uma concessão de terra nas regiões conquistadas.
    • 25 E suscitará a sua força e a sua coragem contra o rei do sul com um grande exército; e o rei do sul sairá à guerra com um grande e mui poderoso exército, mas não subsistirá, pois maquinarão projetos contra ele.
    • 26 E os que comerem os seus manjares o quebrantarão; e o exército dele será varrido por uma inundação, e cairão muitos traspassados.
    • 27 Também estes dois reis terão o coração atento para fazerem o mal, e assentados à mesma mesa falarão a mentira; esta, porém, não prosperará, porque ainda virá o fim no tempo determinado.
    Com respeito à guerra entre o rei do norte, César Augusto e o rei do sul, Marco Antonio (e Cleópatra), culminando com a batalha de Ácio e com a derrota dos últimos. No Oriente Antigo esperava-se que aqueles que comiam alimentos providos por outra pessoa permanecessem leais a ela, o que não ocorria na sucessão ao trono romano.
    • 28 Então tornará para a sua terra com muitos bens; e o seu coração será contra o santo pacto; e fará o que lhe aprouver, e tornará para a sua terra.
    Após os suicídios de Cleópatra e de Marco Antonio, o Império novamente centralizou no norte (Roma). Mas as ações do Império Romano eram contra o povo de Deus e contra o santo pacto, a santa aliança, que é o plano da salvação, do qual Cristo é chamado de “o príncipe da aliança” (verso 22).
    • 29 No tempo determinado voltará, e entrará no sul; mas não sucederá desta vez como na primeira.
    A sede do Império Romano foi removida para Constantinopla, mas a glória deste já não era como a primeira.
    • 30 Porque virão contra ele navios de Quitim, que lhe causarão tristeza; por isso voltará, e se indignará contra o santo pacto, e fará como lhe aprouver. Voltará e atenderá aos que tiverem abandonado o santo pacto.
    Quitim era uma expressão da época dos profetas para designar os invasores ou adversários que vinham de além mar, podendo representar as invasões bárbaras que enfraqueceram o Império. Mas a tentativa de anlar “o santo pacto” continuou, através de perseguições ou de alianças, como a conversão do imperador Constantino, se infiltrando no cristianismo e trocando suas doutrinas por tradições pagãs.
    • 31 E estarão ao lado dele forças que profanarão o santuário, isto é, a fortaleza, e tirarão o holocausto contínuo,
    O holocausto contínuo refere-se, no Velho Testamento, ao contínuo serviço dos sacerdotes no templo, para remissão dos pecados do povo e para o anúncio da vinda do Messias prometido; no Novo Testamento refere-se à contínua interseção de Cristo, o Sumo-Sacerdote, no santuário celestial. Daniel 8.9-12, 23-25
    estabelecendo a abominação desoladora. Falando da destruição eminente de Jerusalém, que teve lugar em 70 AD, Jesus identificou os exércitos romanos como “o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel” (Mateus 24.15)
    • 32 Ainda aos violadores do pacto ele perverterá com lisonjas; mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte, e fará proezas.
    • 33 Os entendidos entre o povo ensinarão a muitos; todavia por muitos dias cairão pela espada e pelo fogo, pelo cativeiro e pelo despojo.
    • 34 Mas, caindo eles, serão ajudados com pequeno socorro; muitos, porém, se ajuntarão a eles com lisonjas.
    • 35 Alguns dos entendidos cairão para serem acrisolados, purificados e embranquecidos, até o fim do tempo; pois isso ainda será para o tempo determinado.
    Roma Papal O “fim do tempo” ou o “tempo do fim” é o período em que vivemos e que teve início em 1798, coincidindo com a Revolução Francesa, e após o período de supremacia papal dos 1260 anos
    • 36 E o rei fará conforme lhe aprouver; exaltar-se-á, e se engrandecerá sobre todo deus, e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas; e será próspero, até que se cumpra a indignação: pois aquilo que está determinado será feito.
    Os versos 36 a 39 podem tanto se aplicar ao papado romano quanto à Franca pós-revolução. Em 26 de novembro de 1793, a Comuna, ou corpo governamental da cidade de Paris tomou medidas oficiais para abolir todas as religiões na capital da França, medidas que foram anuladas dias após pela Assembléia Nacional, mas que ilustra a influência do ateísmo durante aquele período. A França estabeleceu o culto à Deusa da Razão.
    • 37 E não terá respeito aos deuses de seus pais, nem ao amado das mulheres, nem a qualquer outro deus; pois sobre tudo se engrandecerá.
    Amado das mulheres ou desejo de mulheres diz respeito ao casamento, indissolúvel para Deus, mas declarado, pelos revolucionários franceses, como um mero contrato civil dissolúvel a qualquer tempo conforme a vontade das partes interessadas.
    • 38 Mas em seu lugar honrará ao deus das fortalezas; e a um deus a quem seus pais não conheceram, ele o honrará com ouro e com prata, com pedras preciosas e com coisas agradáveis.
    Percebendo a necessidade de religião para que a França permanecesse forte a fim de cumprir o seu objetivo de espalhar a revolução pela Europa, alguns dos líderes em Paris tentaram estabelecer uma nova religião com a razão personificada como deusa. Este foi depois seguida pelo culto de um “Ser Supremo” – a natureza deificada – que poderia ser adequadamente considerado como um “deus das forças”.
    • 39 E haver-se-á com os castelos fortes com o auxílio dum deus estranho; aos que o reconhecerem, multiplicará a glória; e os fará reinar sobre muitos, e lhes repartirá a terra por preço.
    Durante a revolução, auxiliada pelo deus estranho do ateísmo, tem-se estimado que dois terços dos bens de raiz da França foram confiscados pelo governo, as grandes propriedades da nobreza da França foram fragmentadas e vendidas a pequenos proprietários.
    • 40 Ora, no fim do tempo, o rei do sul lutará com ele; e o rei do norte virá como turbilhão contra ele, com carros e cavaleiros, e com muitos navios; e entrará nos países, e os inundará, e passará para adiante.
    • 41 Entrará na terra gloriosa, e dezenas de milhares cairão; mas da sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e as primícias dos filhos de Amom.
    • 42 E estenderá a sua mão contra os países; e a terra do Egito não escapará.
    • 43 Apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata, e de todas as coisas preciosas do Egito; os líbios e os etíopes o seguirão.
    • 44 Mas os rumores do oriente e do norte o espantarão; e ele sairá com grande furor, para destruir e extirpar a muitos.
    • 45 E armará as tendas do seu palácio entre o mar grande e o glorioso monte santo; contudo virá ao seu fim, e não haverá quem o socorra.
    O cumprimento dos versos
    • 40 a 45 pode ocorrer num futuro bem próximo ou pode estar se cumprindo hoje. Na exposição de profecias não cumpridas, onde a história não está escrita, o estudioso deve ser prudente para não se extraviar no campo da fantasia.
O sonho de Nabucodonosor